Seção de atalhos e links de acessibilidade

Seção do menu principal

Parque Estadual Serra de Santa Bárbara
Autor: Porto Esperidião Data: 18 de Abril de 2024

Parque Estadual

Serra de Santa Bárbara

 

Parque Estadual Serra de Santa Bárbara é um parque estadual no estado de Mato GrossoBrasil. Ele preserva um ambiente único onde a floresta amazônica, o pantanal e o cerrado se encontram e possui muitas espécies endêmicas ou ameaçadas de extinção.

História

O Parque Estadual da Serra de Santa Bárbara foi criado pelo decreto 1.797, de 4 de novembro de 1997, com uma área de cerca de 120.092 hectares para proteger uma amostra representativa dos ecossistemas existentes e fornecer uma área com oportunidades de uso controlado pelo público. A lei 7.165, de 23 de agosto de 1999, confirmou o decreto. O plano de gestão foi aprovado em 11 de dezembro de 2008. O conselho consultivo foi criado em 15 de dezembro de 2014.

Geografia

O Parque Estadual Serra de Santa Bárbara é dividido entre os municípios de Porto Esperidião (27,13%) e Pontes e Lacerda (72,87%) no estado do Mato Grosso. Tem uma área de 120.092 hectares[2] e está no Vale do Guaporé, entre os estados de Mato Grosso e Rondônia, ao norte da fronteira com a Bolívia. Abrange parte da Serra de Santa Bárbara, incluindo a Serra do Monte Cristo, o ponto mais alto do estado a 1.023 metros acima do nível do mar.[3]

O parque fica na Reserva da Biosfera do Pantanal, que também inclui os parques nacionais do PantanalChapada dos GuimarãesEmas e Serra da Bodoquena, além dos parques estaduais das Nascentes do Rio Taquari e Pantanal do Rio Negro.[4] Os rios Gomalina, Alegre e Aguapeí crescem no parque. A rodovia MT-473 segue a oeste do parque, enquanto a rodovia MT-265 segue ao sul.[5] Existem vários sítios arqueológicos dos períodos pré-colonial e colonial.

Meio ambiente

A Serra de Santa Bárbara possui um dos mais diversos ecossistemas do estado, abrangendo uma área de transição entre a floresta amazônica, o cerrado e o pantanal. Os tipos de floresta incluem florestas estacionais semidecíduas, a transição destes para o cerrado, o cerrado propriamente dito e a transição para campos rochosos e formações pantaneiras. Nas regiões pantanosas existem grandes variações sazonais, com a maior parte da área inundada na estação chuvosa. No entanto, a maior parte da vegetação no parque é de cerrado.[7] As áreas da floresta amazônica fornecem ilhas e abrigos para animais durante as enchentes. A fauna é muito rica e inclui espécies endêmicas ou ameaçadas de extinção, como a preguiça (Choloepus didactylus), o tamanduá (Tamandua tetradactyla), a onça-pintada (Panthera onca), o boto-cor-de-rosa (Inia geoffrensis) e o tucuxi (Sotalia fluviatilis).[7]

Ameaças incluem incêndios, extração ilegal de madeira e o avanço da agricultura ao redor do parque.[6] Em 2005, cerca de 3,7% do parque havia sido desmatado, dos quais 19 quilômetros quadrados haviam sido desmatados antes da criação em 1997 e 25 quilômetros quadrados haviam sido desmatados desde então.[8] Em 2010, foi descoberto um esquema em que títulos fraudulentos de terras do parque emitidos pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) estavam sendo vendidos aos agricultores, que desde então reivindicavam indenização.[9]

Referências

  1.  PES Serra de Santa Bárbara – ISA, Historico Juridico.
  2.  PES Serra de Santa Bárbara – ISA, Informações gerais.
  3.  Unidades de Conservação correm risco ... EcoViagem.
  4.  Carrijo & Torrecilha 2009, p. 2.
  5.  PES Serra de Santa Bárbara – ISA, Informações gerais (mapa).
  6. ↑ Ir para:a b PES Serra de Santa Bárbara – ISA, Características.
  7. ↑ Ir para:a b Parque Estadual da Serra de Santa Bárbara – Via Rural.
  8.  Roberta dos Santos et al. 2006, p. 6.
  9.  Alline Marques 2010.

 

https://youtu.be/lupgZhAzcbk

https://youtu.be/5G4POu90RrY

 

segue video 

 

 

 

Mais Lazer, Cultura e Entretenimento

Privacidade