Seção de atalhos e links de acessibilidade

Seção do menu principal

VEM AÍ NOSSO TRADICIONAL CURUSSÉ

Publicado em: 01 de Fevereiro de 2024

Autor: Anderson Alexandre Jornalista DRT - 0003156/MT

Fonte: Assessoria de Imprensa


Data: 01 de Fevereiro de 2024

Autor: Anderson Alexandre Jornalista DRT - 0003156/MT

Fonte: Assessoria de Imprensa


Autor da Foto: Imprensa

VEM AÍ NOSSO TRADICIONAL CURUSSÉ

Começa os peparativos do nosso tradicional Curussé, pois se sabe que por se tratar de uma festa na mesma data do carnaval os festeiros não deixaram perder suas raizes onde nesta data, fazem as comidas tradicionais e oferecem as pessoas que fazem parte dos seus respectivos grupos bem como os visitantes de outros municípios que participam das festividades culturais.

Segundo o Prefeito Municipal Sr. Martins Dias de Oliveira, e que a Prefeitura sempre vai apoiar estes grupos folclóricos e culturais, pois são poucos municípios que conseguem manter suas tradições, devido a precariedade do apoio do poder executivo, bem como do Legislativo municipal e Estadual, que deveriam também se preocupar em manter tão importantes festividades culturais e tradição de muitos povos.  

As festividades de Curussé acontece na mesma data do carnaval, sendo esta uma tradição do povo Nativo de Porto Esperidião, que contou com muito apoio desde à Primeira Gestão do Prefeito Martins, onde esta festividade já está ficando assim conhecida a nível estadual e nacional. 

 

PORTO ESPERIDIÃO-MT

 DADOS GEOGRÁFICOS, SOCIAIS E ECONÔMICOS DO MUNICÍPIO.

 

  1. CURUSSÉ E A HISTÓRIA DO MUNICÍPIO

 

  1. Dados geográficos

O município de Porto Esperidião localiza-se na região sudoeste do Estado de Mato Grosso, limitando-se com os seguintes municípios: ao Norte, Jauru e Figueirópolis D’Oeste; a Nordeste, Glória D’Oeste e São José dos Quatro Marcos; ao Sul, com a República da Bolívia; a Sudoeste, Vila Bela da SS Trindade; a Sudeste, com o município de Cáceres; e a Oeste, com o município de Pontes e Lacerda.

 

  • Altitude: 170m.
  • Área: 5834,01 km2
  • Clima: Tropical quente sub-úmido
  • População: 10211 habitantes
  • Emancipação: 13 de maio de 1986.
  • Eleitores: 5062 (TRE/2000)
  • População Urbana: 3494 hab
  • População Rural: 6717 hab
  • Faixa Etária Predominante: 35 – 40 anos (mulheres); 50 – 55 anos (homens).
  • Coordenadas: 15° 15’ 15” latitude sul, 58° 27’ 51” oeste GR.
  • Localização Geográfica: Mesorregião 129, Microrregião 531 – Jaburu, sudoeste mato-grossense.
  • Relevo: Depressão rio Paraguai, calha do rio Jauru, planalto residual Alto Guaporé, Serra de Santa Bárbara e das Salinas.
  • Formação Geológica: Coberturas não dobradas do Fanerozóico, Grupo Aguapeí. Coberturas dobradas do Proterozóico com granitóides associados, Complexo Basal.
  • Clima: Tropical quente sub-úmido, com quatro meses de seca, de junho a setembro. Precipitação anual de 1500mm (mil e quinhentos milímetros), com intensidade máxima em dezembro, janeiro e fevereiro. Temperatura média anual de 24°C, com máxima 42°C e mínima 10°C.

 

  • Distância de outros Centros                          
  • Cuiabá: 320km
  • Pontes e Lacerda: 120km
  • Figueirópolis D’Oeste: 75km
  • Mirassol D’Oeste: 61km
  • Cáceres: 102km
  • Glória D’Oeste: 22km
  • Jauru: 96km

                           

População de Porto Esperidião

         A população do Município é composta por povos originários de comunidades indígenas e por migrantes vindos de diversos Estados do país, como São Paulo, Minas Gerais e Mato Grosso do Sul.

         Com relação aos primeiros habitantes desta região a documentação disponível é precária e contraditória, tendo em vista que a literatura disponível cita a etnia dos Bororos, ignorando a existência de outras nações existentes. Porém, a partir de estudos regionais, e também analisando acontecimentos políticos e econômicos deste período histórico (século XVII e XVIII)  e através de observações dos aspectos físicos e culturais existentes na maioria dos moradores que residem tanto na zona urbana do município quanto na zona rural, foi possível criar uma nova possibilidade sobre os prováveis habitantes desta região no período de sua colonização.

         De acordo com os textos e relatos de Denise Maldi, em sua obra Guardiões da Fronteira, a autora relata a existência de outra comunidade indígena neste local, os Chiquitanos.

     O povo Chiquitano era constituído por uma mistura de grupos indígenas, que no século XVII foram aldeados pelos jesuítas em missões que tinham por objetivo

catequizar estes índios. Devido a conflitos existentes entre jesuítas e espanhóis no século XVII, os Chiquitanos foram obrigados a migrar para outros territórios. Desta forma, chegaram ao território brasileiro.  

         Vestígios de sua migração podem ser observados na região de Vila Bela da SS. Trindade, Vila Maria do Paraguai e Salitre. (N.b. HIR; micro fichas 273 – H IV), sendo Salitre a antiga denominação da região que hoje forma o Município de Porto Esperidião. Existem fortes possibilidades de que esses povos Chiquitanos tenham se fixado neste local, mais ainda, tenham se tornado uma comunidade extremamente forte visto que ainda hoje podem ser notados traços de sua cultura nos habitantes do município. Um destes traços é um dialeto utilizado entre os povos nativos usados pelos mais idosos moradores das comunidades de fronteira deste município, que é originário do Aymara, um dos dialetos usados pelos Chiquitanos.

        

 

                                         O CURUSSÉ

 

                O Curussé é uma dança tradicional neste município, originária do Carnavalito boliviano, também trazido para nossa região pelos Chiquitanos. Essa dança é enraizada em tradições e costumes e indígenas, mesclada a costumes europeus, demonstrando que, após o contato com os jesuítas, houve uma grande miscigenação cultural que ainda hoje faz parte de sua cultura.

         Analisando-se todos esses fatos, conclui-se que os Chiquitanos foram, sem dúvida, uma comunidade indígena com traços culturais e extremamente fortes que muito influenciaram os costumes existentes hoje nesse município.

         Não se tem a intenção de anular a participação das demais etnias na colonização deste município. Porém, torna-se importante integrar o povo Chiquitano à formação do povo nativo, pois, através de documentos pesquisados, podemos observar que essas nações indígenas tiveram participação importante nesta colonização.

 A população de Porto Esperidião constituiu-se basicamente da miscigenação de culturas indígenas bolivianas e de migrantes originários de diversas partes do país em busca de melhores perspectivas de vida.

         No mês de fevereiro ocorre o Curussé, festa tradicional que passa através de gerações, e que é um marco da cultura de Porto Esperidião, sendo uma dança enraizada na cultura das tradições e costumes indígenas e europeus trazido para nossa região pelos Chiquitanos da Bolívia. Constitui-se como uma dança tocada com instrumentos indígenas, como a flauta de taboca ou bambu (chamada pelos nativos de “fifano”), a caixa e o bombo, estes confeccionados de madeira e couro e que dão ritmo à dança.

 Esta festa apesar de representar a origem do povo de Porto Esperidião, estava fadada ao esquecimento, observava-se estas manifestações apenas por parte das pessoas mais antigas, que com seus instrumentos de couro de animal silvestre, flautas e “taboca”, uma espécie de bambu, insistiam em divulgar sua arte.

Os jovens, apenas observavam timidamente esta manifestação de arte e cultura.

A atual administração deu ênfase a esta manifestação cultural, divulgando, incentivando e apoiando, de forma tal que, hoje, o Curussé é dançado por jovens e velhos nativos ou migrantes locais ou turistas.

O Curussé tem representado nosso município em diversos eventos culturais em nosso país.

ESPECIFICAÇÃO

O grupo é composto de:

01 rei

01 rainha

01 princesa

01 príncipe

01 principezinho

01 princesinha

03 caixeiro

01 bombo

01 flauteiro

01 bandeireiros

12 damas

12 foliões

Totalizando 36 pessoas sendo 21 homens e 15 mulheres, suas vestimentas são compostas de: chapéus, camisas, calças e sapatos, vestidos e sapatilhas, adorno de cabeças para reis, rainhas, príncipes e princesas.

Há muita alegria nestas vestes com detalhes coloridos e brilhantes nas roupas e chapéus que traduzem assim a alegria e tradição do Curussé.

21 calças, 21 camisas, 21 chapéus e 21 sapatos

13 vestidos

01 vestido da rainha

01 vestido para a princesinha

15 sapatilhas

07  adornos de cabeça fita para adornar chapéus

https://youtu.be/e_7rIZdOQyo

Um pouquinho do nosso ensaio.  

"JUNTOS SOMOS MAIS FORTES."

 

Privacidade